Ultrassom morfológico para os médicos

Para os especialistas este exame é um grande aliado para o pré-natal. “Nele é possível analisar o formato e medir o tamanho da cabeça do bebê, podendo identificar precocemente qualquer problema ligado à formação craniana e cerebral, por exemplo”, explica.

No caso das imagens em 3D ou 4D é possível perceber se há presença de uma fenda labial, também conhecida como lábio leporino, um diagnóstico precoce de extrema importância. No exame também dá para ver a coluna e o alinhamento dos ossos que a compõe, além dos braços, mãos, pernas e pés do feto, identificando se o desenvolvimento está dentro da normalidade.

Outra possibilidade é visualizar o coração do bebê, analisando seu funcionamento e identificando qualquer anomalia existente. “É possível ver as quatro câmaras do coração, assim como os átrios e ventrículos. Dá para ver inclusive se as funções das válvulas estão normais e examinar as principais veias e artérias”, destaca.

Outros órgãos internos também podem ser visualizados, entre eles os rins, o estômago, os pulmões e a bexiga. “Com isso podemos ver se todas as funções estão acontecendo normalmente ou se o bebê precisará passar por alguma intervenção reparadora”, ressalta.

Mas não são somente as condições do bebê que são analisadas a partir das imagens do ultrassom morfológico, mas também diversos aspectos da gestação como um todo. “Observar a posição da placenta, a situação do cordão umbilical e o fluxo sanguíneo nas artérias da mãe até mesmo a quantidade de líquido amniótico, o que contribui para evitar ou resolver problemas gestacionais de maneira mais efetiva”, conclui Gouveia.